Ciclo motivacional: o que é e como aplicar na sua equipe?

Ciclo motivacional: o que é e como aplicar na sua equipe?

Se você trabalha com gestão de pessoas sabe o quanto pode ser difícil manter os colaboradores engajados e motivados, não é mesmo? Apesar de não ser uma tarefa tão fácil, existem ferramentas que ajudam a fazer isso de uma forma mais eficaz. O Ciclo motivacional é uma dessas ferramentas.

Basicamente, seguindo a linha de raciocínio dessa ferramenta, podemos perceber que a motivação funciona de forma cíclica e é por isso que o ciclo motivacional possui fases que são seguidas e repetidas. Vamos explicar nesse artigo, continue lendo!

O que é Ciclo Motivacional?

O Ciclo motivacional é uma ferramenta de gestão de pessoas que tem por objetivo manter os profissionais engajados e motivados com seus trabalhos. Para isso ela ajuda a entender qual é a real motivação de cada um dos colaboradores. Ou seja, entender o que mantém cada um deles estimulados a trabalhar mais e continuar tendo sucesso em suas tarefas.

A ferramenta segue a psicologia motivacional. Ela é feita em forma de um ciclo pois segundo a própria psicologia, manter a motivação é uma tarefa de esforço diário, já que a motivação precisa ser constantemente alimentada para que o objetivo final seja alcançado.

Com isso não estamos dizendo que é impossível alcançar o sucesso sem ter a motivação correta, mas quando estamos tratando do mercado de trabalho competitivo que temos hoje em dia, é fundamental que os colaboradores de fato vistam a camisa e queiram trabalhar na empresa. É assim que acontece a retenção de talentos e é por isso que o ciclo motivacional é importante.

onboarding

Quais são as etapas do Ciclo?

Como você já sabe, o ciclo motivacional passa por algumas etapas repetidamente, certo? Então vamos falar sobre elas! Essas etapas são:

  • Equilíbrio interno;
  • necessidade e estímulo;
  • tensão;
  • ação e comportamento;
  • satisfação ou frustração;

Depois de satisfação ou frustração, como já é o esperado de um ciclo, o ciclo motivacional retorna para o começo, que no caso é o equilíbrio interno. Como o ciclo tem a intenção de individualizar de certa forma a motivação para cada profissional, essas etapas provavelmente acontecerão sempre de maneiras diferentes.

Para ilustrar melhor, vamos explicar com um exemplo de forma generalizada:

1. Equilíbrio interno

O equilíbrio interno pode ser considerado o momento em que o colaborador está fazendo suas tarefas diárias conforme sempre acontece no cotidiano. Ou seja, até aqui não há imprevistos.

2. Necessidade e estímulo

A necessidade ou estímulo poderia facilmente ser algum imprevisto que obriga que o profissional mude de foco para resolver aquela situação em questão.

3. Tensão

Nessa fase do ciclo motivacional, o profissional estará em um momento de tensão já que algo fugiu de seu controle. Então ele pode estar estressado ou ansioso, mas mesmo assim precisa manter o foco agir para cumprir com a tarefa.

4. Ação e comportamento

Aqui, ele toma alguma atitude e cumpre a tarefa que precisava para resolver a situação. Então o momento de tensão acaba.

5. Satisfação ou frustração

Como qualquer atitude, a ação que o profissional fez na fase anterior do ciclo motivacional pode dar certo ou errado, trazendo satisfação ou frustração dependendo da escolha que ele fez.

Ao entender cada uma das fases, o gestor pode analisar como cada um dos profissionais age nessas situações determinadas para amenizar frustrações e melhorar a rotina do colaborador.

Por exemplo, se o gestor observar que o colaborador fica muito ansioso no momento de tensão, ele pode tomar medidas para que essa situação melhore, como sugerir que a empresa ofereça momentos meditações nos intervalos de trabalho.

Resumindo, estude cada uma das fases as relacionando com os profissionais e depois, aplique as medidas cabíveis para tornar cada um deles, profissionais que tragam mais resultados.

Também podem te interessar

Receba novos conteúdos
no seu email: