pedido de demissão

Como lidar com um pedido de demissão?

Um pedido de demissão, geralmente não é uma boa notícia para a empresa. Ainda mais quando vem de um profissional que se destaca em seu cargo. Isso porque, além de a organização estar perdendo uma peça chave no empreendimento, os processos de demissão são extremamente burocráticos e requerem atenção redobrada.

Quando esses processos são feitos sem a devida atenção, as chances de erros são gigantes. Isso pode acarretar em uma série de transtornos, problemas com a lei e até mesmo prejuízos financeiros. Para evitar esses problemas, leia esse post e entenda exatamente como agir quando algum colaborador pedir demissão!

Como lidar legalmente com o pedido de demissão

Quando acontece um pedido de demissão na empresa, o setor de RH e o setor administrativo precisam saber exatamente como agir para que a empresa não tenha nenhum problema com questões legais.

Afinal, nesses casos temos de um lado um colaborador esperando receber indenizações ou outros benefícios, e de outro, a empresa que, apesar de considerar o profissional, sempre está buscando formas de economizar dinheiro para não obter prejuízos.

É por isso que, independente do motivo do desligamento do funcionário, o melhor a se fazer nessas situações é seguir a risca o que a lei propõe a respeito do “acerto de contas”. Dessa maneira todos saem satisfeitos e ninguém se sente prejudicado.

Para isso, o primeiro passo que ao se deparar com um pedido de demissão, é se decidir em relação ao aviso prévio. Legalmente, a organização pode optar por exigir que o funcionário cumpra o aviso prévio de até 30 dias, ou ainda, fazer o desligamento imediato.

Caso a escolha seja o desligamento imediato, é importante lembrar que a empresa deverá descontar o valor do mês no cálculo de rescisão. Sendo assim, o ex-colaborador receberá o valor referente aos dias de trabalho que cumpriu antes de sair.

Já em relação à multa de 40% do valor acumulado no FGTS, quando o pedido de demissão é feito por parte do funcionário, ele perde esse direito. Outro direito que ele perde é o de receber o Seguro Desemprego.

Por outro lado, a empresa deve pagar o valor proporcional do 13º salário com base nos meses trabalhados no ano em que houve o pedido de demissão. Além disso, outro valor que a organização precisa se atentar a pagar é o proporcional de férias.

Em um outro artigo, nós explicamos o passo a passo de como fazer o cálculo de rescisão. Então, se você quer entender melhor como fazer, é só clicar no link a seguir.

https://blog.lugarh.com.br/calculo-de-rescisao-voce-sabe-como-fazer/

Lembrando que se todos esses valores não forem pagos em até 10 dias após o pedido de demissão, a empresa ficará como inadimplente para a justiça. Isso quer dizer que o ex-funcionário terá direito a entrar com um processo trabalhista e solicitar uma indenização. Inclusive, é provável que o valor da indenização seja bem maior do que o que deveria ser pago na rescisão.

Como agir com o profissional desligado

Além de pensar nas questões legais, o RH precisa saber como agir com o profissional que está saindo. A regra aqui é simples: respeite a decisão do colaborador independente de qualquer coisa.

Caso seja de interesse da organização manter o funcionário, entenda quais motivos o levaram para solicitar o pedido de demissão para saber se é possível contornar a situação ou não.

Outra dica importante é prezar pela sinceridade e manter uma comunicação aberta com o colaborador. Afinal, somente assim será possível solucionar todas as questões sem que ocorram desgastes para ambas as partes.

Por fim, lembre-se de manter um bom relacionamento com o ex-funcionário. Embora ele tenha feito um pedido de demissão em determinado momento, é sempre possível que ele queira retornar à empresa em algum outro momento, trazendo mais conhecimentos e experiências para passar para a organização.

Também podem te interessar

Receba novos conteúdos
no seu email: