Outplacement: o que é e como aplicar no processo de demissão?

A humanização do processo de demissão deve ser uma preocupação de toda empresa. Por isso, o mercado de outplacement está em ascensão.

Aliás, negócios que investem em um tratamento humano e apoio durante a demissão costumam ter equipes mais motivadas e atrair os melhores talentos.

Quer entender mais como isso funciona? Continue conosco que te explicamos!

O que é outplacement

Outplacement é um processo de demissão que visa oferecer apoio para recolocação do ex-colaborador no mercado. Ou seja, ajudá-lo encontrar um novo emprego.

Assim, o serviço de recolocação é comumente contratado pelas empresas para apoiar o trabalhador e minimizar o estresse envolvidos em toda demissão.

Aliás, o outplacement não é somente achar um novo emprego. Pode ser que o trabalhador decida abrir um negócio ou fazer uma transição de carreira. De todo modo, o consultor em outplacement irá auxiliar o profissional em todas as etapas.

E para entendermos como uma empresa desse ramo pode ajudar seu negócio, a Velvet Jobs, por exemplo, segundo a Forbes, oferece:

  • Curadoria personalizada de oportunidades;
  • Escrita de currículo;
  • Carta de apresentação;
  • Coach de carreira;
  • Suporte de transição;
  • Preparação para entrevista.

Assim, o RH consegue dar um suporte completo para o ex-colaborador sem acrescentar mais tarefas/demandas no setor. Aliás, segundo a Verified Market Intelligence, o mercado de outplacement mundial deve atingir US $2,37 bilhões até 2025. Isso representa um crescimento anual de 6,2%.

Por que fazer o outplacement uma rotina do RH?

Apesar de parecer que é um gasto sem sentido para a empresa, esse apoio faz toda diferença para o colaborador.

Além disso, o outplacement possibilita:

  • A proteção da empresa: reduz riscos trabalhistas e reações inesperadas do trabalhador;
  • Humanização: tira o aspecto mecanizado e distante na relação trabalhista;
  • Melhor imagem da empresa: negócios que investem no outplacement costumam ser bem vista na sociedade e atrair mais talentos;
  • Manutenção do bom relacionamento: a demissão de um colaborador impacta toda a equipe, não só o colaborador. Então, fazer esse processo de modo tranquilo e humanizado ajuda a manter um clima agradável com os membros que ficaram na empresa.

Como aplicar no processo de demissão

#1 Planejamento da demissão e outplacement

Primeiramente, precisamos fazer a demissão de modo planejado. Acaba que muitos gestores negligenciam essa etapa e, por isso, a demissão se torna um momento extremamente desagradável e estressante para ambas as partes (mais do que já é).

Assim, devemos organizar como será a comunicação, o feedback e a entrevista de desligamento. Bem como nessa etapa buscamos fazer a contratação de empresa ou de especialista em outplacement.

Quando o anúncio formal da demissão for feito, é primordial já informar os processos de transição. Isto é, explicar que a empresa oferece esse apoio, como funciona, data de início, entre outros detalhes.

#2 Apoio durante o processo de transição

Com a demissão realizada, inicia o processo de transição do colaborador. Se a empresa tiver contratado uma terceirizada, a responsabilidade que fica agora é prestar apoio quando for solicitada, por exemplo, na escrita de carta de recomendação.

Ademais, para se aprofundar no assunto, o autor Alan J. Pickman tem um livro que ele destrincha tudo sobre o processo outplacement. O livro “The Complete Guide To Outplacement Counseling” é reconhecido por ser prático e ajudar nesse processo complexo de transição.

Está com dificuldade de estruturar os processos de admissão e demissão? Confira este artigo em que damos dicas essenciais para te ajudar!

Também podem te interessar

Receba novos conteúdos
no seu email: